Make your own free website on Tripod.com

FILIPENSES

Alegria no serviço cristão.

Terceira Igreja Batista do Plano Piloto 

Escola Bíblica Dominical - Lúcio Cesar Silva de Menezes


Temas envolvidos:

  1. Ética e moral
  2. Encoraja uma vida cristã vitoriosa
  3. Serviço e humildade
  4. Corações agradecidos

Filipenses 1:1-11

Características de Filipenses

Por Lúcio César Menezes

Durante os próximos três meses estaremos conversando e analisando vários aspectos relacionados com o livro de Filipenses. Ao lado de informações sobre o contexto histórico e informações teológicas associadas, buscaremos enfatizar os aspectos práticos da vida que podem ser melhorados com a aplicação dos princípios encontrados na Carta.

Entre os objetivos do curso está reconhecer na carta de Paulo valores e princípios que ajudem o crente da época atual a ter uma vida vitoriosa e agradável a Deus.

Algumas discussões que surgirão indicam a atualidade da epístola: ética, moral, atitude diante da vida, visão de mundo, paradigmas corretos ou incorretos, estresse, ansiedade e depressão, alegria, serviço e companheirismo mostram como pode ser interessante estudar Filipenses.

Vejamos as seguintes características:

  1. É uma carta que expressa suavidade, carinho e gratidão;
  2. Sua linguagem é a de um pai ou amigo, em contraste com outras cartas onde se manifesta a autoridade apostólica, severidade ou repreensão;
  3. Focaliza no encorajamento para uma vida cristã vitoriosa;
  4. Chama a uma postura de humildade que revela a disposição de Cristo (Fil. 2:1-5);
  5. Incentiva buscar o prêmio e os objetivos para os quais Deus nos preparou em Cristo (Fil. 3:13-14);
  6. Apresenta a chave para eliminar da vida o estresse e a ansiedade (Fil. 4:6);
  7. Anula o negativismo do "não posso" com a atitude positiva de "posso" por meio do fortalecimento de Cristo.
  8. Apresenta uma doutrina forte para incentivar o crente a servir com alegria (Fil. 2:5-11);
  9. Destaca a palavra "alegria", usando-a de várias formas umas dezesseis vezes;
  10. Revela o segredo de uma comunhão alegre que, na intenção de Deus, seria a norma para a vida na igreja.

Estes dez itens demonstram que a carta aos Filipenses apresenta amplas possibilidades de aplicação à vida pessoal de conceitos importantes e úteis para uma maior qualidade de vida.

São conceitos aplicáveis integralmente à vida nos seus variados enfoques: na igreja, no trabalho e na família.

Dr. Greg Herrick sugere cinco motivos para que Paulo escrevesse aos Filipenses:

    1. Paulo desejava que a igreja de Filipos soubesse como as coisas estavam evoluindo em seu encarceramento (1:12-26) e quais seus planos quando fosse libertado (2:23-24)
    2. Ao que parece, havia discórdia e divisão na igreja. Assim, ele escreve para encorajar humildade e dar uma visão ao povo sobre unidade (2:1-18; 4:2-3)
    3. Como teólogo pastoral, escreve para afastar o ensino negativo e as conseqüências decorrentes de ouvir falsos mestres (3:2-3 ss)
    4. Escreveu para recomendar Timóteo à igreja, bem como dar um relatório sobre a saúde e planos de Epafrodito (2:19-30)
    5. Escreveu, ainda, para agradecer à igreja por sua preocupação para com ele e os presentes que lhe tinham dado (4:10-20)

A idéia de serviço e humildade perpassa todo o texto da carta, deixando claro que a comunhão se aperfeiçoa na dependência total a Deus, seguindo o exemplo de esvaziamento dado por Cristo ao aceitar morrer na cruz pelos pecados da humanidade.

Vemos o cuidado com ensinos falsos, muitas vezes trazidos por meio de sutis distorções da verdade bíblica.

O coração agradecido é outra vertente do "segredo" de Paulo para um estilo de vida vitorioso do crente. Paulo se alegra em poder agradecer a ajuda e a preocupação dos filipenses.

Uma igreja alegre, qual a razão?

Filipenses 1:1-11

A carta aos filipenses foi escrita  para uma igreja alegre, ainda que com alguns problemas. Deve haver motivos para que seja assim. Dando uma olhada em sua origem é possível descobrir algumas razões.

  1. Ela começou quando Deus constrageu algumas mulheres a orarem - Atos 16:13 e Romanos 8:26,27
  2. Começou com Deus dando a direção a seguir por seus servos - Atos 16: 6,7
  3. Começou com Deus dando uma visão aos servos - Atos 16:9
  4. Até aqui, tudo acontece porque algumas mulheres oraram.

  5. Começou com servos obedientes a Deus - Atos 16:10
  6. Começou com pregação do evangelho - Atos 16:10 e 17
  7. Começou com Deus salvando almas - Lídia (Atos 16:14), a jovem possessa (Atos 16:18) e o carcereiro (Atos 16:34)
  8. Começou em meio a perseguição permitida por Deus - Atos 16:22-24; Filipenses 1:12

Além do enumerado acima, a forma como se estabeleceu a comunhão em Filipos é também importante para discernir seu sucesso. Ela foi construída com fundamento no serviço - Paulo é "escravo" de Cristo, estando a sua completa e total disposição, com humildade incondicional. Sendo exemplo, conduziu a comunidade a ser humilde e estar disposta ao serviço. Tal dependência gera um comprometimento intenso à vontade de Deus para a vida de cada crente. Não havia diferença entre "maiores e menores", sendo todos servos do Deus Altíssimo.

Perguntas para compreensão

  1. Em sua opinião, a oração tem perdido o valor na sociedade atual? (Atos 16:13; Romanos 8:26-27)
  2. Você acha que o grupo de Paulo se surpreendeu ao descobrir que o homem da visão decorria da oração de uma mulher? (Atos 16:9,13)
  3. Que tipo de pregação você acha adequada para conseguir a salvação de pessoas? (Atos 16:10)

  4 . Por quê o Senhor precisa de servos para dar forma a uma comunidade local de crentes? (Filipenses 1:1-2)

Instruções para:

  1. permanecer firmes
  2. saber que o conflito gera instabilidade
  3. ter um mesmo sentimento
  4. cultivar um ambiente alegre e positivo
  5. alegrar-se no Senhor
  6. agir com moderação

Filipenses 1:1-2

 

A saudação

 

"Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo..."

A prática na época era começar as cartas com o nome do autor. Observe que Paulo começa a carta intitulando-se servo de Cristo. Isto é muito significativo, pois Paulo era um apóstolo reconhecido, cheio de autoridade, homem de Deus, fundador de igrejas e abalizado escritor. Ainda assim, com todo esse currículo, apresenta-se como servo.

Ao assumir uma atitude de servo, Paulo mostra uma das razões possíveis para explicar sua alegria mesmo diante das mais adversas circunstâncias. A postura humilde de Paulo encontra respaldo em ensino direto de Cristo, conforme podemos verificar no diálogo registrado em Marcos 10:35-44.

A situação descrita poderia acontecer com qualquer um. No texto paralelo em Mateus se pode ver que mãe deles foi junto. Um pouco de proteção? Não faríamos nós o mesmo para conseguir lugares ou posições privilegiadas para nossos filhos? Mas Jesus aproveita a oportunidade para ensinar a atitude correta, resumida no verso 44 - quem desejar ser o líder (ou chefe) deverá ser servo de todos.

Se você deseja ser usado por Deus, ser uma benção na vida de outros irmãos e da igreja, se quer ministrar a outras pessoas, não procure ser exaltado, ser visto como o melhor, mas descubra uma forma de servir às pessoas.

O ensino de Jesus é reforçado no verso 45 quando ele mostra que não está apenas falando, mas dá, ele mesmo, o exemplo.

 

"Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo..."

 

Outro aspecto interessante é que Paulo inclui Timóteo na saudação. Não há dúvida de que o autor é Paulo, mas a colocação do nome de Timóteo é um indicativo da atitude humilde de Paulo. Ele não cria qualquer distinção entre eles, colocando os dois na mesma condição de servos de Jesus Cristo.

As diferenças entre os dois eram muito evidentes, pois Paulo era um apóstolo reconhecido e com autoridade, profundamente respeitado no mundo da época. Timóteo era um discípulo que, posteriormente, mostraria seu valor. Na verdade, há indicações fortes de que Timóteo estava atuando como um servo de Paulo, ajudando-o em suas tarefas.

A atitude de Paulo mostra mais uma característica valorizada por Deus nos seus servos. Em outro momento Paulo escreverá "nenhum de nós deveria considerar-se melhor do que realmente é". Se há um problema comum nas igrejas de hoje é o decorrente de crentes que tendem a pensar que são melhores que os outros.

É um cuidado que todos devemos ter, afinal, é freqüente darmos mais valor a nós mesmos em detrimento dos outros. Pensamos que somos mais espirituais, que estamos mais amadurecidos, merecemos mais consideração, pois somos mais úteis que outros. Seria mesmo justo termos alguns privilégios diante de nossa maior participação no crescimento da igreja.

Diante de nós está o exemplo de um dos maiores servos do Senhor que não hesitou em receber ajuda de Timóteo, mas não fez distinção em valor espiritual entre eles. Talvez não sejamos iguais do ponto de vista humano, onde cargos e funções podem gerar diferenças legítimas, mas, espiritualmente, não pode haver distinção na igreja do Senhor.

 

Algumas questões:

  1. Como se pode servir um ao outro na Igreja e na família?
  2. Você sabe qual seu real valor na vida de outras pessoas? Ou se acha melhor que os outros? Ou pensa que não tem valor nenhum?
  3. Há alguma pessoa para quem você esteja transferindo seu conhecimento e experiência. 
  4. Com base no texto examinado de Marcos, qual seria uma das explicações para Paulo estar feliz em meio a circunstâncias adversas?

 


Próximo estudo

Visite o ReVendo                                            Família Ribeiro de Menezes                                   Terceira Igreja Batista

Esta página foi visitada vezes.