Make your own free website on Tripod.com

FILIPENSES

Alegria no serviço cristão.

Terceira Igreja Batista do Plano Piloto 

Escola Bíblica Dominical - Lúcio Cesar Silva de Menezes


 

A alegria de Paulo Versos 10 a 13

 

O presente dos Filipenses

Versos 14 a 18

 

 A provisão de Deus

Versos  19 e 20

 

 Saudações finais

Versos 21 a 23

Filipenses 4:10-23

Sempre de bem com a vida!

Por Lúcio César Menezes

 

4: 10 Ora, muito me regozijo no Senhor por terdes finalmente renovado o vosso cuidado para comigo; do qual na verdade andáveis lembrados, mas vos faltava oportunidade.

11 Não digo isto por causa de necessidade, porque já aprendi a contentar-me com as circunstâncias em que me encontre.

12 Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, como em passar fome; tanto em ter abundância, como em padecer necessidade.

13 Posso todas as coisas naquele que me fortalece.

14 Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição.

15 Também vós sabeis, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo no sentido de dar e de receber, senão vós somente;

16 porque estando eu ainda em Tessalônica, não uma só vez, mas duas, mandastes suprir-me as necessidades.

17 Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a vossa conta.

18 Mas tenho tudo; tenho-o até em abundância; cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus.

19 Meu Deus suprirá todas as vossas necessidades segundo as suas riquezas na glória em Cristo Jesus.

20 Ora, a nosso Deus e Pai seja dada glória pelos séculos dos séculos. Amém.

21 Saudai a cada um dos santos em Cristo Jesus. Os irmãos que estão comigo vos saúdam.

22 Todos os santos vos saúdam, especialmente os que são da casa de César.

 23 A graça do Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito.


 

A alegria de Paulo

Conforme lição do Dr. Russell Shedd[1], "nos versos  10-13, Paulo exterioriza seu profundo contentamento com a oferta que os filipenses mandaram pelas mãos de Epafrodito (2:25-30). 'Alegrei-me sobremaneira no Senhor', revela que sua satisfação não se baseava na oferta em si, mas no Deus que mais uma vez renovou sua bondade pela instrumentalidade dos filipenses."

            A alegria de Paulo não é apenas de aparência nem uma postura que ele se força a ter para demonstrar força e estimular os filipenses. Era real, sustentando-se independentemente das circunstâncias, sejam elas adversas ou favoráveis.

A alegria do apóstolo não se resume a tempos difíceis, como se gostasse de sofrer, ou a tempos de fartura, como se bens materiais fossem a base do contentamento. O verso 11 deixa claro que Paulo era alegre independentemente das  circunstâncias.

            "Paulo empregou um termo apreciado pelos estóicos para comunicar seu contentamento: autarkés, lit. "auto-suficiente", indicando independência de circunstâncias externas, usado também para quem se auto-sustenta. Revela uma força interior arraigada na fé num Deus todo-poderoso que faz com que "todas as coisas cooperem para o bem daqueles que amam a Deus" (Rom. 8:28).[2]

            Observe-se que, na situação de Paulo, a auto-suficiência decorre não do pensamento positivo ou da resignação disciplinada da mente, mas da provisão divina. Paulo vive bem porque é provido pela graça de Deus, não dependendo de circunstâncias externas para amparar sua alegria.

            A alegria de Paulo se manifesta em tempos difíceis e em tempos de prosperidade. Nas duas situações Paulo ensina aos filipenses usando a expressão "estar experimentado",  "saber que vem pela experiência, observação e interpretação do mundo exterior no fundo do coração em que a fé cria convicção absoluta"[3].

            A abundância também exige do crente o conhecimento de como se comportar corretamente, como reagir de forma que valorize o ensino de Cristo. O que fazer com a bênçãos que recebemos? Para quê progredimos, melhoramos de vida? Como administramos os recursos abundantes diante das necessidades de outros irmãos? Conseguimos ver as bênçãos com a função correta? (Ef. 4:28)

            Chega-se, então, ao muito citado verso 13, onde o apóstolo diz que tudo  pode naquele que o fortalece. "Paulo aprendeu que no contexto de servir a Cristo ele pode todas as coisas porque Cristo lhe dá forças. (...) O foco de Paulo não é tanto em suas conquistas e habilidades, como se ele fosse de algum modo superior à média, mas sim em Cristo que lhe capacita a cumprir Sua vontade.[4]  Dr. Shedd ainda é mais preciso sobre a questão: "Paulo não sugere que o segredo de suportar a dura vida como preso, a tortura da fome ou a ansiedade de prever o martírio (cf. 1:20) esteja na sua própria disciplina ou auto-controle. Pelo contrário, a explicação se encontra unicamente na constante (tempo presente) dinâmica da comunhão fortalecedora com Jesus Cristo pela atuação do Espírito Santo."

 

O presente dos filipenses

         "Deus desenhou  este mundo no princípio da necessidade e suprimento. Esta ecologia global explica satisfatoriamente tudo que doutra forma seria apenas mistério. Por exemplo, imagine uma semente sem terra onde fosse capaz de germinar, se desenvolver e criar plantas que produzem outras sementes. Semente sem solo seria um ponto de interrogação - não imaginaríamos porque veio  a existir. (...) Como seria ter carros sem gasolina ou lâmpadas sem eletricidade, bancos sem dinheiro ou cheques, um povo com muito dinheiro mas nada para comprar ou fábricas sem produtos para produzir. Vivemos em contato constante com a ecologia de necessidade e provimento. (...) Se a ecologia fundamental da criação e da civilização se caracteriza por suprimento e necessidade, deve, igualmente, ser natural para a igreja. Deus criou a igreja para suprir a necessidade que Ele também colocou em nossos corações. Igreja sem membros seriam um mistério ou um contrasenso. Mas existem irmãos na igreja que não pararam para pensar seriamente quais seriam as necessidades para as quais a igreja foi formada, pelo Espírito de Deus, para supri-las. "[5]

            A igreja de filipos não se omitiu no cumprimento de sua missão de suprir as necessidades do apóstolo Paulo.  Aliás, a disposição demonstrada pela igreja em ajudar confirma  que a conversão era genuína.  Uma igreja que não coloca em prática a ajuda age com hipocrisia, construindo uma fachada que não representa o que há por dentro.

            A ajuda dos filipenses, na visão de Paulo, era bem-vinda por dois aspectos: um, lhe supria necessidades; dois, redundaria em depósitos na conta celestial, pois Deus se alegra com o coração aberto de seus filhos.

            A ação dos filipenses é aroma suave, lingüagem  de culto. Os crentes podem chegar-se a Deus oferecendo os corpos como sacrifício vivo, santo e agradável (Rom. 12:1), devem apresentar sempre sacrifício de louvor, que o fruto de lábios que confessam seu nome (Heb. 13:15). "Terceiro, encontramos aqui em Filipenses 4, o sacrifício de dinheiro ou posses para suprir a necessidade dum cidadão. Esta oferta é declarada 'aceitável e aprazível' a Deus (v. 18). Compartilhar bens com necessitados é ao mesmo tempo uma oferta apresentada a Deus. Havendo motivação de amor e gratidão (não reconhecimento humano - MT. 6:1-4), da parte do ofertante, seu sacrifício será aceitável e aprazível a Deus."[6]

            A rotina diária do crente pode ser um constante apresentar de sacrifícios suaves a Deus, um perfume que sobe agradável e se espalha por todos os lugares por onde passa. A alegria e a disposição para ajudar e servir é uma forma válida e agradável a Deus de viver, de cumprir a missão da igreja na idéia da ecologia da necessidade e do suprimento.

           

A provisão de Deus

         O verso 19 pode ser entendido assim: o resultado de agradarmos a Deus abençoando outras pessoas é que somos abençoados também!

            O texto deixa claro que Deus proverá tudo de que precisamos para viver e servir a outras pessoas. Veja que a referência de Paulo a todas as vossas necessidades, mas incluem vários outros aspectos. Relaciona-se com a necessidade de crescer em discernimento para ter uma vida correta (1:9-11), para  ter unidade na igreja e agir com humildade  (2:2-4).

            A provisão prometida é de acordo com as riquezas de Deus, de quem é dono de tudo, de toda a prata e de todo o ouro. Não esqueçamos, entretanto, que o contexto é alguém que está abençoando outros com seu serviço e com doações. Para os que fazem a sua parte, Deus faz a dele.

            O verso 20 coloca na perspectiva correta a questão do reconhecimento. A Deus deve ser dada a glória e o louvor. A motivação do serviço não pode ser o reconhecimento pessoal, o elogio ou a bajulação.

            Às vezes desejamos agradecer a pessoa que nos oferece ajuda com oração, serviço ou dinheiro e bens. É importante discernir que a origem do suprimento está no coração de Deus que motiva e estimula seus filhos a se envolverem nas necessidades dos outros. Este entendimento é importante para os que servem e para os que, no momento, estão sendo servidos. Corretamente motivados, os irmãos que servem saberão lidar com os agradecimentos ou elogios sem pretender assumir a glória que pertence a Deus.

 

Saudações finais

            Paulo termina sua carta com cumprimentos e saudações aos irmãos. A citação dos irmãos da casa de César é interessante. Os romanos, perpetradores da perseguição a Paulo, tinham em seus quadros pessoas referidas por Paulo como irmãos. O poder do evangelho se manifesta também aqui: tinha penetrado "no coração" do reino inimigo.

            "Filipenses é uma carta que reforça a alegria, a humildade e a unidade. Paulo deu muitos exemplos vivos de tais qualidades para mostrar aos seus leitores como os conceitos funcionam na prática. Fala sobre sua própria vida, cita Timóteo, Epafrodito e o exemplo por excelência de Cristo.(...) Tudo para Paulo estava focalizado em Cristo como o plano de Deus para o universo (3:20-21)."[7]

 

Princípios para aplicação

        

1.      Você está contente com o que tem? Com sua situação atual?

2.      Você consegue manter íntima relação com Deus na ausência de bens e provisões?

3.      Você consegue manter-se ligado a Deus quando está nos momentos de abundância?

4.     Há alguma necessidade (financeira, espiritual, emocional) que precisa ser preenchida em sua vida no momento atual? Há alguém que possa ajudar? 



[1] Alegrai-vos no Senhor, uma exposição de Filipenses. Russell P. Shedd, Vida Nova, 1993.

[2] Idem anterior

[3] idem anterior

[4] Philippians: unconquerable Gospel. Greg Herrick.

[5] Dr. Shedd, já citado.

[6] Dr. Shedd já citado

[7] Greg Herrick, já citado.

 


Anterior

Visite o ReVendo                                            Família Ribeiro de Menezes                                   Terceira Igreja Batista

Esta página foi visitada vezes.