Make your own free website on Tripod.com
ReVendo

...não que já seja perfeito, mas prossigo para o alvo.

Ano III - número 002

Produzido por Lúcio Cesar Menezes

Índice

Receba via e-mail

Links úteis

Terceira Igreja

Página da Família

Brasília,

Família

  Você causa impacto, sabia??

Lúcio  César Menezes

       

 

 

É verdade! Sua vida influencia as pessoas que vivem ao seu redor quer você queira ou não, quer goste ou não goste.

Palavras, gestos, estilo de vida, hobbies, como trata os filhos, amigos que cultiva, locais que freqüenta - são capazes de mostrar qual sua perspectiva de vida, seus valores e suas prioridades. Mostram o que se pode esperar de você.

O conjunto que resulta de sua "forma de viver" não está restrito apenas a sua família. Se espalha por todos os lugares pelos quais você passa - trabalho, igreja, clubes, etc.

Das interações que temos com as pessoas, surge o desafio de irmos progredindo, aperfeiçoando o modo de nos relacionarmos. Queremos ser significativos para os outros, deixar nossa marca, fazer diferença por onde passamos.

Tal desafio, no entanto, não pode ser superado com facilidade. Exige uma reflexão profunda: o que pretendo ser na vida? Quais devem ser minhas atitudes diante dos outros?

Pare um pouco e pense que tipo de impacto está causando no seu cônjuge (e nos filhos) atualmente? É positivo, estimulando alegria e prazer de estarem juntos? Ou negativo, a ponto de tornar insuportável o convívio?

Na busca de relacionamentos mais saudáveis, há uma série de qualidades que precisam ser desenvolvidas.

Hoje vamos ver algumas:

  1. vou ser mais generoso(a), compreensivo(a) com os erros do outro - sabe aqueles bate-papos informais comuns em aniversários e festinhas? Pois é, eles servem para observar o quanto as pessoas estão "exigentes" e pouco tolerantes com erros dos outros. A pessoa não aceita a menor falha de outrem, não importa quantos erros ela mesma já tenha cometido, nem mesmo sua gravidade. Para causar um bom impacto nos relacionamentos é preciso mais compreensão e generosidade com as falhas dos outros (filhos, cônjuges, amigos).
  2. Vou apoiar mais os outros e me alegrar com seu crescimento em todas as áreas - causa um bom impacto quem troca a inveja pela alegria do sucesso do outro, quem sorri quando vê a vitória de outra pessoa. Remoer-se por dentro pelas vitórias dos outros só leva a doenças emocionais e espirituais chegando, com freqüência, a enfermidades físicas.
  3. Vou ser mais grato e expressar isto com mais intensidade - nada mais desagradável que conviver com pessoas que só sabem reclamar. São incapazes de encontrar o mais simples motivo para agradecer, para se alegrar e ficar de bem com a vida. Ao contrário, lidar com pessoas agradecidas é um alívio. O ambiente fica mais leve e agradável.

A decisão de modificar o modo de nos relacionarmos com as pessoas vai alterar positivamente no impacto que causamos.

É interessante perceber que as pessoas que agem com mais generosidade, mais alegria e gratidão são mais felizes. As pessoas amarguradas e tristes demonstram diariamente sua insatisfação com a vida e tornam negativos os ambientes que freqüentam.

Escolhemos naturalmente as pessoas alegres e gratas para nos relacionar, sentindo-nos atraídos pelo seu bom humor e por sua generosidade.

A questão é: será que as pessoas estão escolhendo ficar perto de você ou são obrigadas a aturar seu jeito de ser?


Liderança

Viva a diversidade!

Lúcio César Menezes

  

Vez por outra surge o desejo de viver numa organização em que todo mundo pensa igual, sem diferenças e discussões.

É uma ilusão perigosa, pois a diversidade de opiniões gera muito mais oportunidade de crescimento que a unanimidade.

A multiplicidade de experiências, de conhecimento, de visão de mundo acrescentará muito a qualquer organização.

As contribuições proporcionarão um resultado muito melhor do que se conseguiria com apenas uma pessoa decidindo tudo.

Um cuidado se faz necessário, no entanto. Quando se fala em sinergia, presume-se um trabalho de equipe. Não apenas um grupo de pessoas juntas no mesmo lugar.

Sendo assim, algumas posturas devem estar presentes no trabalho das equipes em uma organização:

  1. A equipe não é uma amontoado de pessoas que está trabalhando num mesmo lugar, mas cada um buscando seu próprio interesse - há um interesse e sensibilidade de ajuda mútua, de cooperação e de humildade. Os membros da equipe buscam um objetivo comum, um alvo, uma visão. Não trabalham para seu alvo individual, mas para o alvo coletivo.
  2. membros de uma equipe apoiam e valorizam as qualidades dos outros - se for assim a equipe não progride. Afinal, é esta percepção que permite o aproveitamento dos pontos fortes de cada membro da equipe em prol do conjunto. Valoriza-se o que há de melhor nos membros.
  3. A agenda pessoal fica em segundo plano - conforme vai crescendo a confiança no meio da equipe, menos espaço há para agendas ocultas. Não há lugar para que se criem situações em proveito próprio. A prioridade é o alvo da equipe.

Ora, não há qualquer dúvida de que a presença de tais características em muitas organizações parece utopia.

Pode ser, mas isso não deve desestimular a liderança a buscar um ambiente de equipe.

Muita energia é perdida em discussões pessoais relacionadas com agendas ocultas, interesses pessoais colocados à frente dos interesses coletivos, orgulho e desejo de poder.

Por outro lado, não devemos esquecer que o líder pode ser o primeiro a sabotar a idéia do trabalho em equipe. A resistência à diversidade decorre, em muitos casos, do forte preconceito que desenvolvemos durante a vida.

Geralmente achamos que nossas idéias são as melhores, as mais sábias ou, no mínimos, as mais práticas. Assim, olhamos para os que pensam de forma diferente com olhos pouco generosos. Tais pessoas são vistas como "encrenqueiras", difíceis, sectárias e causadoras de problemas.

A opção pela diversidade exige coragem para ouvir o que os outros pensam e, principalmente, para mudar de opinião. E isto não é fácil.

Uma pessoa pode fazer excelentes trabalhos e tomar boas decisões, mas uma equipe bem articulada pode fazer muito mais e muito melhor.


Livro interessante

10 maneiras de fazer sua esposa feliz, de Hans e Donna Finzel. Leitura agradável e simples. Passa valores importantes e pode ajudar em muito a melhorar qualquer relacionamento.


Índice

Receba via e-mail

Links úteis

Terceira Igreja

Página da Família

Textos e artigos podem ser usados e reproduzidos livremente para estudos, reuniões ou palestras sem fins lucrativos. Pede-se a gentileza de citar a fonte. LM

Direitos reservados Copyright @  2001   Lúcio César Menezes

                                                    Esta página foi visitada vezes.